• Patricia Seiko Okamoto

Fatores para a obtenção do desempenho em edifícios

Atualizado: Set 1


Desempenho do edifício

Em muitas ocasiões, nos deparamos com empresas preocupadas em atender as exigências da Norma de Desempenho assumindo que, pelos resultados positivos encontrados em simulações de acústica, térmica, iluminação, entre outros, estão atendendo plenamente as demandas da NBR 15.575.

A realização de simulações é realmente uma maneira eficaz para balizar tomadas de decisões na época de desenvolvimento de projetos, mas não garante o desempenho da edificação.

Por outro lado, a realização de ensaios ocorrem,em muitas ocasiões, quando a obra já está pronta, isto é, nas condições de entrega (ou quase). Descobrir que os resultados desejados não estão sendo alcançados é motivo de muitas dores de cabeça e sinônimo de dispêndio de custos anteriormente não provisionados para a construção.

De uma forma geral, simulações e ensaios devem sim fazer parte da rotina de empresas que desejam o desempenho em seus edifícios, mas não são o bastante.

O desempenho de um edifício depende essencialmente de 4 fatores:

  1. do PROJETO que deve englobar todas as vertentes para possuir alto grau de construtibilidade, possibilitando através das especificações, detalhamentos, simulações e determinação das vidas úteis de referência (VUP - Vida Útil de Projeto), a previsão do desempenho desejado para os sistemas que compõem toda a edificação e para ela como um todo;

  2. das características de MATERIAIS e SISTEMAS adquiridos e fornecidos; 

  3. da EXECUÇÃO de obras, a qual deve sempre seguir as especificações de projetos,  possuir mão de obra qualificada e treinada, realizar e monitorar os ensaios de controle tecnológico, provisionar as orientações para utilização e manutenção do edifício para o cliente final através do Manual do Proprietário e Manual do Síndico e informar sobre prazos de garantia e vida útil;

  4. da OPERAÇÃO do edifício, incluindo as atividades de MANUTENÇÃO com frequência, periodicidade adequadas e conforme eventual necessidade.

Em outras palavras, o desempenho de um edifício depende muito mais da forma com a qual cada um dos profissionais, empresas e até mesmo os usuários finais do edifício, assumem suas responsabilidades e realizam suas atividades.

Neste sentido, um trabalho de análise, de otimização e de adequação de processos de desenvolvimento de projetos, de produção, de fornecimento e de entrega, nas empresas e com os agentes envolvidos, é muitas vezes necessário.

O desempenho final de um determinado edifício é, portanto, fruto e consequência de inúmeros esforços que se complementam, se somam e que ocorrem ao longo de todo o processo e ciclo de vida do empreendimento.



Entre em contato conosco para lhe auxiliarmos com o atendimento à NBR 15.575!



Patricia Seiko Okamoto

Qualitéch Consultoria e Projetos LTDA

contato@qualitechconsultoria.com.br

+55 11 99287-7450

Conheça nosso site: www.qualitechconsultoria.com.br



Patricia Seiko Okamoto é arquiteta formada pela FAU-USP, especialista em Tecnologia e Gestão na Produção de Edifícios e Mestre em Ciências com ênfase em Engenharia Civil e Urbana pela Escola Politécnica da USP. Fundadora e Diretora da Qualitéch Consultoria e Projetos LTDA.


#NBR15575 #normadedesempenho #qualitechconsultoria


72 visualizações

Qualitéch Consultoria e Projetos LTDA

  • Instagram - Cinza Círculo
  • Facebook - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza